19.4.17

OS CAMINHOS DO DESTINO - PARTE III


Saiu da sala e entrou na porta ao lado. Abriu a persiana, e encontrou-se no quarto, onde a cama de casal merecia destaque, a par do enorme roupeiro de portas de correr em espelho, que davam a ilusão dum tamanho muito maior ao já espaçoso quarto. Voltou à cozinha e abriu as cartas. Faturas da luz, gás, e das telecomunicações. Não se preocupou, eram pagas por débito direto, já teriam saído da conta.
Pensou que teria que ir ao banco, encerrar a conta conjunta, e abrir outra pessoal. Ir às finanças, ao registo, legalizar a sua situação como viúva. Tanta coisa para fazer e ela sem forças físicas nem morais, para isso. Teria de pedir a Clara, se ela poderia ir com ela resolver esses assuntos.
Colocou a publicidade no receptor para a reciclagem, e guardou as faturas na gaveta que guardava para elas. Sentia-se extremamente cansada, resultado das quase três semanas em coma. Deveria comer qualquer coisa, mas não tinha pão em casa para fazer uma torrada, e era impensável ir à rua comprá-lo. Pôs a chaleira ao lume com água. Abriu um armário e retirou um pote de vidro, meio de bolachas de água e sal, e um pacotinho de chá de cidreira. Tirou uma chávena, colocou-lhe dentro o pacotinho, despejou-lhe em cima a água que entretanto fervera, e levando a chávena para a mesa sentou-se.
Enquanto bebia o chá, a gaveta da memória abriu-se, e as lembranças voaram livres à sua roda, como borboletas em prado florido. E eram tantas e tão intensas, que o ar na cozinha se tornou rarefeito, e ela sentiu um aperto no peito. De forma inconsciente a sua mão direita desceu e acariciou o ventre liso, enquanto as lágrimas rolavam pela face pálida.
Três semanas antes ela estava grávida de seis meses. O seu casamento não estava muito bem, mas a criança que crescia no seu ventre era muito amada, e ansiosamente esperada. Porém naquele fatídico dia, Jorge tinha uma festa, da empresa. Ela bem que não queria ir. Mas ele insistiu tanto que acabou fazendo-lhe a vontade.
Jorge era um homem bonito e bem-sucedido. Ela conhecera-o num bar em Lagos, cidade onde vivia e onde ele fora passar férias. Foi uma paixão fulminante, que ela confundiu com amor. Os pais opuseram-se ao casamento, mas ela não lhes deu ouvidos. Era maior de idade, não precisava do consentimento deles.
Veio viver com ele, para Lisboa, mesmo sem ter casado.

17 comentários:

✿ chica disse...

Tristes momentos pra ela e agora só... Gostando do desenrolar! bjs, chica, lindo dia!

Roaquim Rosa disse...

bom dia
penso que vamos ter uma longa historia de solidão.
á espera !!
JAFR

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Está interessante a história.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Os olhares da Gracinha! disse...

Momentos que deixam marcas ... Bj

Fernando Santos (Chana) disse...

Interessante história...Espectacular !
Cumprimentos

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Tristes lembranças, angustiosos momentos.
Vamos ver sua superação.
Até amanhã querida Elvira.

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Tristes lembranças, angustiosos momentos.
Vamos ver sua superação.
Até amanhã querida Elvira.

António Querido disse...

Passei, gostei e foi um prazer vê-la de volta às suas histórias!

Com o meu abraço.

AvoGi disse...

Muitas vezes é só para. COntrariar a opinião dos ascendentes...Que conseguem ver além dos filhos
Kis ::=}

Cantinho da Gaiata disse...

Estou ansiosa para ver como ela vai ultrapassar esta etapa tão dolorosa.
Bj

Cantinho da Gaiata disse...

Estou ansiosa para ver como ela vai ultrapassar esta etapa tão dolorosa.
Bj

Maria do Mundo disse...

Estou, neste momento, a beber chá de cidreira...mas, felizmente não tenho essas borboletas à volta.

Socorro Melo disse...

Oi, Elvira! Boa Páscoa!

Estou acompanhando a história, e já cheia de expectativa. Já sinto um cheirinho de emoção no ar, hehe

Grande abraço

Pedro Coimbra disse...

E agora vamos entrar em analepse e recordar os tempos vividos até ao fatídico dia.
Estou a ver bem?

Gaja Maria disse...

A tristeza tomou conta dela, mas de certo que vai dar a volta por cima. Aguardo :)

maria disse...

Beatriz...penso que vem aí mais uma Vencedora!

lua singular disse...

Oi contista
Seus contos são lindos.
Vou tentar segui-los
Amanhã, leio mais dois.
Beijos
Lua Singular