18.4.17

OS CAMINHOS DO DESTINO - PARTE II

O quadro é obra minha. Foi uma prenda de casamento para a Beatriz. Rsrsrs.



Sentiu um baque no peito. Apesar de não ser ela quem conduzia o carro no momento do acidente, sentia-se culpada por ele. Se não tivesse aceitado ir aquela festa, quem sabe o marido teria também ficado em casa. Se quando viu que ele estava demasiado embriagado tivesse insistido para virem de táxi, quem sabe teria convencido Jorge a deixar lá o carro. Mas de que adiantava agora, todas aquelas hipóteses, se já nada podia voltar a ser como dantes?
Desapertou o cinto de segurança, abraçou a amiga, e ainda antes de abandonar o carro disse:
-Telefona-me à noite para combinarmos a hora amanhã.
Com passos trémulos, encaminhou-se para a entrada do prédio. Oxalá não encontrasse nenhum vizinho. Não se achava com forças para conversas. Abriu a porta de entrada, a caixa de correio, da qual retirou três cartas e muita publicidade, e subiu ao primeiro andar, onde morava.
Abriu a porta, acendeu a luz, e fechou de novo a porta com duas voltas de chave.
Viu-se numa pequena saleta de formato quadrado, com uma pequena mesa de apoio, encimada por um grande espelho. Cinco portas eram visíveis da entrada, mas apenas três se encontravam abertas.
Beatriz entrou na primeira e dirigiu-se à janela, para abrir a persiana.
Estava numa grande e espaçosa cozinha, com armários e eletrodomésticos embutidos, em forma de L. Impecavelmente brancos, com tampo de mármore granitado preto. Na parede oposta, uma mesa branca, retangular com tampo de mármore igual ao balcão. Sobre ela, uma fruteira em vidro com três maças, três peras e três laranjas duas das quais já apodrecidas. Completava a cozinha, seis robustas cadeiras brancas com acento de palhinha.
Ela apanhou as laranjas, e abrindo a porta do armário jogou-as no caixote do lixo. Deu graças por tê-lo despejado antes de saírem. Se não o tivesse feito, depois destas três semanas de ausência, o cheiro na cozinha seria insuportável.
Poisou o correio na mesa e saindo entrou na porta ao lado. Abriu a persiana e a luz iluminou uma sala grande, com um móvel de cerejeira ocupando toda a parede. No centro um televisor, que pelo tamanho mais parecia um pequeno ecrã cinematográfico. 
Por cima e nas laterais, vários livros, alguns bibelôs, e duas molduras.
Na parede contrária, um grande sofá preto, sobre o qual várias almofadas em forma de coração, vermelhas. Por cima do sofá uma grande tela com desenhos geométricos. Ao lado do sofá uma lareira.
No chão de mármore, uma grande carpete preta, e sobre ela uma mesa baixa de ferro forjado preta, com tampo de vidro. Sobre esta, uma cabeça de cavalo pintada de negro.




16 comentários:

Isa Sá disse...

A passar para acompanhar a história.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

✿ chica disse...

E vamos acompanhando...Tentando entrar na história e pensar sobre ela... bjs, chica

Tintinaine disse...

Bom dia!
Este já foi, venha o próximo!

Pedro Coimbra disse...

Parece um romance da Agatha Christie.
Vou acompanhar.
Boa semana

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
como sempre todos os pormenores retratam tão bem que parece que estamos a ver os locais.
para já é só
JAFR

Luiza Maciel Nogueira disse...

É sempre bom ver as suas estórias criadas ao sabor da arte! Gostei das cores do quadro.

Beijo!

Prata da casa disse...

A acompanhar a história. O que se seguirá?
Bjn
Márcia

AvoGi disse...

Que mais lhe vai acontecer?
Kis:={

Bell disse...

Adorei o quadro, parece em auto relevo.
E fico no aguardo da história.

bjokas =)

Cantinho da Gaiata disse...

Com a delicadeza da descrição consigo me situar nessa casa.
Vamos ver a vida futura da rapariga. Calma que a amiga Elvira vai dar a volta e deixar nos com um sorriso.
Bj

Maria do Mundo disse...

Gosto muito de escrita descritiva. Adorei.

Os olhares da Gracinha! disse...

Adorei o quadro e quanto à história!?... Atenta ao desenrolar da mesma!!! Bj

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Gosto muito do seu jeito peculiar de descrever um ambiente, dá para entrar nele.
Vamos ver o que espera por esta moça tão triste.
Beijinhos.

lua singular disse...

Oi Elvira
Já estou atrasada, mas chego lá
Adorando...
Beijos
Lua Singular

maria disse...

Boa descrição do ambiente... estou muito curiosa!

Rosemildo Sales Furtado disse...

Descrição perfeita do ambiente. Seguimos acompanhando.

Abraços,

Furtado