17.4.17

OS CAMINHOS DO DESTINO - PARTE I



                                           



A mulher que percorria o enorme átrio do hospital, caminhava com passos inseguros. Era alta, e a pele morena, apresentava uma palidez típica de pessoa que está doente, ou acaba de sair de algum grave problema de saúde.
O sol forte do meio da tarde, saudou-a à saída. Percorreu com o olhar o espaço, talvez procurando alguém que não estava. Parecia indecisa.
Talvez não se sentisse com coragem para encetar uma caminhada.
Ensaiou uns passos para descer a rampa junto à porta do hospital e eis que um carro se aproxima e trava junto dela.
Aproximou-se, abriu a porta e entrou. A mulher ao volante desculpou-se ao mesmo tempo que a saudava carinhosamente.
- Desculpa, ter-me atrasado. O trânsito está infernal. Como te sentes hoje?
- Destroçada. Como se me tivessem arrancado as entranhas.
O carro arrancou e por momentos fez-se silêncio. Notava-se que a jovem fazia um grande esforço para não chorar.
Clara, a mulher ao volante do carro, perguntou:
- Deram-te alta, apenas? O médico não te aconselhou acompanhamento psicológico?
-Sim. Deu-me até uma carta para levar. Mas não sei se vou. Preciso repensar toda a minha vida.
-Porque não vais uns tempos para o Algarve, para casa dos teus pais? Mudar de ambiente, poderia ser benéfico nesta altura.
- Não sei. Sabes que casei contra a vontade deles, que não gostavam do Jorge. Meu pai rejeitou-me. Nunca mais lá voltei. Gostava de lá ir, apenas uns dias para lhes dar um abraço. Quando se vê a morte tão perto, é que damos importância, aos verdadeiros afetos. Mas não sei sequer se me receberiam.
O carro tinha chegado a uma rua, na periferia da cidade. Parou num dos estacionamentos vagos junto a um edifício de três andares.
- Vou subir contigo Beatriz.
-Não. Agradeço-te imenso, tudo o que fizeste por mim durante este tempo. O carinho e a amizade que me dispensaste. Uma irmã não teria feito melhor. Cem anos que viva, nunca me vou esquecer. Mas quero enfrentar isto, sozinha. Amanhã, se puderes, vens tomar um café comigo. Preciso saber tanta coisa. E fazermos contas, já que foste tu quem pagou os funerais.
Desatou a chorar. A amiga abraçou-a.
- Vês, porque é melhor, eu subir contigo, Beatriz? Não estás em condições de ires sozinha. E não te preocupes com as contas, isso tem tempo, não me está a fazer falta.
- Não. Já estou melhor. Diz-me só, e o outro carro? Que aconteceu aos ocupantes?
- Era uma mulher. Teve morte imediata.



24 comentários:

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar as histórias e desejar uma ótima semana!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
vamos acompanhar este destino !!!!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Mais uma história que vou acompanhar.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

✿ chica disse...

Promete ser emocionante! Vamos te acompanhar! Linda semana! bjs, chica

Tintinaine disse...

Ora cá estou também para apreciar mais um conto da Elvira!
Que não seja muito triste que para tristezas já me chegam as da minha vida real.
Passada a Páscoa, aí vamos nós rumo ao 25 de Abril e 1º de Maio, só datas que o meu povo gosta!

AvoGi disse...

Começa com um acidente....Mas certamente vai ser uma história que me vai prender.
Kks :=}

António Querido disse...

E aqui marcamos novo encontro porque o destino assim quer! Cá vamos nós teclando, lendo e divertindo-nos com este nosso passatempo, até que o destino queira! Que queira muitos anos, muitos dias e muitas horas, com o raciocínio em dia!

Com o meu abraço.

Rui disse...

Cá estou para seguir , Elvira.
Começando mal, parece-me que está a começar bem ! :))
Já vai dando para entender muita coisa ! :)

Abraço

Os olhares da Gracinha! disse...

Deu início a mais uma história de vida e eu vou tentar acompanhar! Bj

Janita disse...

Vejo que deu início a mais uma das suas histórias, Elvira.

Tentarei acompanhar na esperança de que, também ela, me faça companhia, que é como quem diz, seja alegre e disponha bem.

Um abraço, boa semana.

mム尺goん disse...

tecendo o devir....


abç

lua singular disse...

Oi Elvira
Começou triste a história, mas sei que você sabe nos encantar
Essa eu vou acompanha direitinho
Beijos
Lua Singular

Prata da casa disse...

Já me captou a atenção e espicaçou a curiosidade.
Bjn
Márcia

Zé Povinho disse...

Aqui estou a ler do princípio.
Abraço do Zé

Maria do Mundo disse...

Cá estou! Isto promete!

Gaja Maria disse...

Uma história nova, já estou a seguir :)

Odete Ferreira disse...

Um início que prende desde já.
Cá estarei para acompanhar.
Bjinho, Elvira

Mister Vertigo disse...

Estamos de regresso:)
Vou começar as leituras.
Votos de uma boa semana!

Luiza Maciel Nogueira disse...

Os afetos deveriam sempre serem importantes, pois constroem o alicerce dos grande relacionamentos :)

Beijinho!

Cantinho da Gaiata disse...

Aqui estou eu para seguir mais uma história.
Mas está começou muito deprimente, fico triste, vou esperar para ver o desenrolar.
Bj

Cantinho da Gaiata disse...

Aqui estou eu para seguir mais uma história.
Mas está começou muito deprimente, fico triste, vou esperar para ver o desenrolar.
Bj

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Bom dia cara amiga Elvira!
Desculpa minha ausência querida amiga, mas estive muito gripada e só agora estou melhor, graças a Deus.
Mas não vou perder por nada mais um conto seu.
Que triste começo amiga!
grande beijo em seu coração.

paideleo disse...

Unha nova historia que empeza nun hospital.
A verdade é que muitas cousas importantes acontecen nese lugar.
Vou mirar como segue a historia.

maria disse...

Mais uma história que promete!