3.4.17

JOANA


De súbito o silêncio no quarto foi quebrado por um entrecortado gemido. Logo de seguida, Joana acordou. Às escuras sentou-se na cama, tentando não acordar o homem que dormia a seu lado.
Passou a mão pela testa, onde gotas de suor atestavam a aflição do pesadelo que acabara de ter. Suspirou. A luz da lua entrava pela porta semiaberta da varanda. Estendeu o braço, apanhou o roupão de cetim, e vestiu-o. Enfiou os chinelos e dirigiu-se à varanda. Sentia-se sufocar. Ficava sempre assim quando tinha aquele pesadelo. Na varanda olhou para baixo. A rua estava deserta.
Joana olhou o céu e pensou vagamente, se o céu da sua terra seria assim. Ela ouvia falar muito da beleza das noites de África. Mas ela não se lembrava. Também pudera, tinha dois anos quando se dera a revolução dos cravos, e logo depois o pai que era militar, regressou. Por isso Joana não se lembrava da sua terra. E a bem da verdade só muito raramente se lembrava que não era de Lisboa. Lançou um breve olhar para o quarto. Lá dentro o marido dormia tranquilamente. Joana suspirou e pensou que era melhor assim. Ela já tinha a noite estragada, não remediava nada se ele acordasse. Na verdade, seria até pior; pois a solicitude do marido só ia fazê-la sentir-se mais inútil, mais culpada.
Joana era uma bonita mulher. Quase beirando os quarenta, tinha uma aparência de menina que a fazia parecer mais nova. Corpo bem modelado, pele morena. Os cabelos castanhos-claros tinham reflexos dourados que contrastavam com os olhos escuros. Era uma bonita mulher, mas tinha um problema. Joana era estéril. O seu ventre, era terra árida, que não dava fruto. Esse era o problema que lhe roubava o sono.
Joana, - recordou como conheceu o marido. Tinha acabado o curso de Administração. Durante os estudos nunca conheceu ninguém que verdadeiramente lhe interessasse. Acabado o curso, e quando procurava uma empresa à qual se candidatara, cruzou-se com um garboso polícia, que lhe chamou a atenção. Ainda hoje não sabe se foi o seu jeito, se o fascínio da farda que lhe despertou a atenção. Uma semana depois, tinha-o à sua espera. Sem a farda quase nem o reconheceu. Mas falaram-se e apaixonaram-se. Foi tudo muito rápido. Menos de um ano e casavam-se, numa bonita cerimonia numa aldeia lá para os lados da serra da Estrela, donde os seus pais eram naturais.
Tinham combinado que durante um ano não teriam filhos. Era um tempo de conhecimento e namoro que se concediam. E foi um ano de sonho. Ricardo era um homem apaixonado, bem-humorado, e amigo de a ajudar nas tarefas caseiras.
Aquele ano passou a correr e logo, logo estavam a fazer planos para o nascimento do primeiro filho. Mas o tempo foi correndo e o filho não vinha.
 Desesperada Joana procurou ajuda médica. Ricardo acompanhou-a, e fez com ela toda a panóplia de exames que o médico pediu. E quando os resultados chegaram, veio a confirmação de que ela era estéril. O médico explicou-lhe que talvez não fosse irremediável. Afinal agora havia uma série de medicamentos novos que já tinham resolvido muitos casos como o dela. Joana sentiu que alguma coisa morria dentro dela. Desde pequena que sonhava ser mãe. Sentir dia a dia uma pequena vida a crescer dentro de si. Sentir o fruto do seu amor nos braços.
Quis morrer juntamente com os seus sonhos. Nessa altura Ricardo impôs-se com o seu carinho a sua solicitude, e a sua esperança.
"Deixa lá, somos jovens podemos esperar. Desses tratamentos, algum há-de resultar, e um dia ainda temos o nosso bebé" dizia-lhe enquanto tentava esconder o seu próprio desânimo.
E já lá iam dez anos. Dez anos de luta, de tratamentos, de esperança, e desespero. Um dia, um outro médico falou-lhes em inseminação artificial. Apesar de ser caríssimo avançaram para a inseminação. Não resultou á primeira. Raramente resulta. Ricardo decidiu que não se iriam submeter a uma segunda. Era por demais dolorosa, aquela espera, aquele morrer da ilusão.
Foi pouco depois que começaram os pesadelos da Joana. No sonho ela via-se no cemitério a assistir ao funeral do marido. E acordava desesperada. Aconselhada por uma amiga, consultou um psiquiatra. Que lhe disse, que o que ela tinha era um medo inconsciente, de que devido ao facto de não ser mãe, o marido a deixasse. Esse medo era trazido à superfície durante o sono, com o pesadelo da morte do marido. Porque, - disse-lhe o psiquiatra, - a morte era a separação que ela temia. Aconselhou-lhe uma conversa franca com o marido e uma possível adoção.
Joana, não se importava de ter um filho adotivo. Era uma criança a quem ela daria todo o imenso amor que lhe ia no peito. Porém pela primeira vez, Ricardo não esteve do seu lado. Ele negou-se redondamente a adotar uma criança. Disse que se Deus não quisera dar-lhes um filho, que não iam afrontar a Sua vontade, que a amava da mesma maneira e outras coisas que nem se lembra. E desde então voltaram os pesadelos.
Limpou as lágrimas e voltou ao quarto, enquanto num recanto qualquer da memória, ouvia a voz da avó recitando uma passagem da Bíblia.
-Árvore que não dá fruto, corta-se pela raiz...

FIM

Elvira Carvalho


17 comentários:

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar as histórias e desejar uma ótima semana!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Tintinaine disse...

Só faltou jogar-se pela janela fora, para a tragédia ser completa!

✿ chica disse...

Triste conto,rico em detalhes e como sempre tão bem escrito! bjs, linda semana! chica

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Uma tragédia muito bem escrita minha amiga que gostei de ler.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

António Querido disse...

Acho muito pormenorizado e interessante a sua maneira de descrever uma história! Leva-me a acreditar que se baseia em factos reais, mas o dinheiro do Cristiano Ronaldo encontrou uma solução para iniciar uma equipa de futebol!
Abraço.

Roaquim Rosa disse...

boas
muito difícil fazer comentários sobre esta historia, pois sobre estas coisas temos mesmo de respeitar a ideia de cada um.
JAFR

Edumanes disse...

Joana vivia aterrorizada com os pesadelos. Não adianta remar contra a maré. Para evitar os pesadelos, Joana teria que se conformar com o destino que Deus lhe deu!

Tenha uma boa tarde amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Fernando Santos (Chana) disse...

Bela historia...Espectacular !
Cumprimentos

O meu pensamento viaja disse...

Triste como a vida às vezes é!
Bj

Fernanda Maria disse...

Amiga Elvira,

Um texto muito bem elaborado e envolvente.
O sofrimento de uma mulher perante a sua esterilidade.
O final é perturbador mas está de acordo com o perfil da Joana.

Um beijinho e boa semana

O Toque do coração

Prata da casa disse...

Uma história um pouco triste, mas que acontece muitas vezes, infelizmente.
Bjn
Márcia

Nequéren Reis disse...

Historia maravilhosa amei, uma semana abençoada para você, obrigado pela visita,
Blog: https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

Tais Luso disse...

Que bem narrada esse seu conto, Elvira! Fui lendo e ficando com pena da pobre mulher. Já vi histórias semelhantes, é uma obsessão, quanto mais mulheres nessas condições têm certeza de que não são férteis, maior se torna o problema. É uma bola de neve. Seria o caso de adoção mesmo! Teria o mesmo amor. Pouco sensível foi seu marido, seria de pensar...

Beijo, amiga! Parabéns pelo conto tão bem 'bolado' e escrito.

Anete disse...

Puxa, forte mesmo! A passagem bíblica ela lembra de uma forma diferente do contexto!... Daí, sofre mais ainda!! Precisa de cura emocional p depois dar novos passos...

Uma boa noite... Bjs

Odete Ferreira disse...

Uma história bem contada, como sempre, a abordar uma problemática bastante frequente.
Parabéns. Bjinho

Cantinho da Gaiata disse...

Passei por um pouco desta história, mas tive um final feliz.
Beijinho grande.

Ana Freire disse...

Felizmente que hoje em dia, já há mulheres muito bem resolvidas consigo mesmo, e que desmitificam o dramatismo de não ter filhos... até numa posição em que são bastante pressionadas para tal...
A actriz Jennifer Aniston, é um verdadeiro exemplo, nesse sentido...
De qualquer forma, ainda continua a ser um drama para muitas mulheres... acabando o negativismo da situação, e falta de amor próprio, por matar a relação...
Um conto muito bem escrito, abordando esta temática... tão presente, na vida de tantas mulheres...
Beijinhos
Ana