26.3.17

PAULO

(REEDIÇÃO)

Lá fora, a noite dorme em silêncio.
A madrugada aproveita e vem devagarinho, pé ante pé para tomar o seu lugar. No céu, sem nuvens, as estrelas brilham como enfeites de Natal. Algures, em qualquer recanto deste nosso universo, alguém abre lentamente uma janela. É um homem. Um homem jovem em idade, mas carregando no peito uma angústia tão grande, como se fora a própria eternidade. Ele não sabe, porque se sente assim angustiado. Aliás Paulo não sabe explicar nada do que se passa com ele. Sentir sim. Ele sente cada hora, cada minuto amassado na rotina duma vida, que não deseja. Paulo é um homem novo, mas não raras as vezes se sente tão frustrado, como se fora um velho, a quem roubaram todos os sonhos. É um homem culto. Estudou. E completou os seus estudos, na leitura de grandes escritores. Lê muito. E escreve. Escreve belos e amargos textos nos quais deixa impregnado o que lhe vai na alma.
Poeta, apaixonado e sonhador, Paulo enamorou-se do próprio Amor. Na janela, ele olha sem ver a rua, absorto nos seus pensamentos. Na cama Graça, a mulher dorme. Paulo olha para ela, com um misto de amor e pena:
- Coitada, deve estar muito cansada – murmura entre dentes.
Graça é uma boa mulher. Que Paulo ama muito. Tem sido uma boa companheira, e deu-lhe dois filhos. Dois filhos por quem ele daria a própria vida. Graças a eles consegue suportar aquela vida insípida, que por vezes ameaça sufocá-lo.
Mas Graça está longe de ser o amor que Paulo tantas vezes idealizara. Ele sonha com uma mulher apaixonada, que tenha os mesmos sonhos, os mesmos anseios, os mesmos desejos. Graça é uma mulher simples, bonita, boa dona de casa, boa mãe, até mesmo boa amante. Mas com ela, ele não pode discutir aquele livro que o entusiasmou, não pode recitar aquele poema do Torga, que ele sente como se fosse escrito por ele, não pode contar-lhe das vezes, que deixa o seu corpo no emprego, e evade o espírito para outras paragens. Paulo não sabe se existe no mundo uma mulher como ele sonha. Mas tem uma certeza. Ele gostava que essa mulher fosse a esposa. Volta-se e olha-a.
Mais bonita do que nunca, no abandono do sono, os longos cabelos soltos espalhados na almofada.
Encheu o peito de ar, suspirou, e fechou a janela. Dirigiu-se para a cama. Graça, acordou, olhou-o surpresa. Logo sorriu e esticando os braços enlaçou o marido e puxou-o para si. E enquanto se perdia nos braços da mulher, Paulo fez o que tantas vezes fazia no emprego. Deixou que o seu espírito se soltasse e voasse para longe. Para um lugar só dele, um lugar que apenas existe nos seus sonhos de homem insatisfeito.

elvira carvalho


24 comentários:

Isa Sá disse...

A passar para acompanhar as histórias!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
o amor supera a angustia !!!!!
JAFR

✿ chica disse...

Triste vida do Paulo tão lindamente descrita por aqui! Uma vida onde só é feliz em sonhos...bjs, chica

Tintinaine disse...

Por vezes também me sinto assim! Mas não demoro muito a aterrar de novo na vida real! Sonhos são apenas sonhos.

António Querido disse...

Ai se os gajos da Google passam por aqui e vêem que o Paulo e a Graça já vão fazer 69,anos, mandam-nos fechar a janela!

De janela aberta cá vai o meu abraço.

Os olhares da Gracinha! disse...

E quantos não estarão nas mesmas condições ... Bj

Jack Lins disse...

Bom dia querida Elvira,
Linda e triste história, muito bem contada por você, gostei muito.
Grande beijo e uma ótima semana.

Fernanda Maria disse...

Uma insatisfação comum a tantos mortais minha amiga.

Muito bom e reflectivo este seu texto.

Beijinho

O Toque do coração

Edumanes disse...

Se tudo fosse perfeito,
o mundo melhor seria
esse homem insatisfeito
sonhava enquanto dormia!

Tenha uma boa tarde de domingo amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Tais Luso disse...

Bonito texto, e tão real!
Um texto poético e cheio de verdades.
Beijo, querida amiga.

Janita disse...

Um abraço e boa semana, Elvira.

AvoGi disse...

Elvira...
O meu filho está a mudar de casa. Já casou há quatro anos. Estamos e viemos cá para o ajudar...
Kis :=}

Gaja Maria disse...

Quantos de nós têm momentos em que a sua alma voa fora do corpo. Abraço Elvira

Bia Hain disse...

Olá, Elvira, seu texto me fez pensar que a vida real pode não ser interessante, mas tudo começa no sonho... é da insatisfação que nascem os grandes feitos, mas poucos se dispõe a mexer na própria realidade, mesmo quando insatisfeitos. Abraços!

XicoAlmeida disse...

Ninguém está satisfeito com o que tem é uma máxima!
E o Rui Veloso na sua "Paixão" dá-nos uma lição "não se ama alguém que não ouve a mesma canção".

Beijinhos e boa semana.

O meu pensamento viaja disse...

Frustração, quem nunca a sentiu?
Boa semana.

Majo Dutra disse...

Muito bem construído...
Será que Graça vai descobrir a insatisfação do marido...
Ótima semana, Elvira.
Abraço amigo.
~~~~~~~~

Rogerio G. V. Pereira disse...

Conheço o Paulo
de vez quando falamos, ora nisto ora naquilo
mas nunca me passou pela cabeça
convidá-lo a ingressar no Partido

um dia convido é a Graça
com a qual nunca falei

Pedro Coimbra disse...

Também é uma forma de traição...
Boa semana

Odete Ferreira disse...

Cativou-me muito esta abordagem. Na ficção tanto de real...
Bj, amiga

lis disse...

Oi Elvira
Lembro do texto que ficou na memória.Do homem insatisfeito,talvez feliz.
A vida prega dessas peças_ temos mas queremos mais e melhor.
Voltando pra te ler Elvira.Gosto muito.
meu abraço

maria disse...

Paulo prisioneiro dos seus sonhos?

Vera Lúcia disse...


Olá Elvira,

Paulo representa bem a figura de muitas pessoas, que apesar de viverem uma boa e até invejável vida, estão sempre a abraçar sonhos outros, tornando-se eternos insatisfeitos. Acabam jogando a felicidade pela janela.

Excelente!

Beijo.

Ailime disse...

Boa tarde Elvira,
Muito bem escrito.
Vamos ver como se vai desenrolar a vida de Paulo.
Beijinhos,
Ailime