16.2.17

LONGA TRAVESSIA - PARTE XVII




Os dias que se seguiram foram de trabalho intenso. Mário recebeu os relatórios que tinha pedido, analisou-os, aprovou algumas ideias, riscou outras por lhe parecerem não compensar o investimento, e contratou novos empregados, porque verificou que havia alguns que chegariam à idade da reforma no início do ano seguinte e queria que nessa altura os novos empregados já estivessem integrados no esquema de trabalho da empresa. Comprou e mandou instalar duas máquinas novas. Contatou e recuperou dois antigos clientes. Durante aqueles dias, foi várias vezes ao gabinete de Teresa, para acompanhar o processo de admissão dos novos empregados, ou para pedir a opinião dela, noutros assuntos no âmbito da sua gestão. 
Entrava, perguntava o que queria, e saía sem demora. Não voltara a falar de assuntos pessoais, nem de saídas noturnas. Parecia outra pessoa, e Teresa, não pode deixar de admirar a tenacidade, e a crença que o  impulsionavam. 
Mário, todos os dias estava em contacto com os seus homens de confiança, o secretário, e o advogado, que tinham ido para Inglaterra reunir com os seus gerentes, e verificar o bom andamento das suas empresas, pois desistira de viajar enquanto não pusesse a “Tudilar” no rumo certo.
Naquele dia, pouco passava das dez, quando ele chegou ao gabinete. Como sempre impecavelmente barbeado e bem vestido.
- Olá – disse ao entrar.
Assim, como se fosse um amigo, um colega. Começara a tratá-la assim há quase uma semana. Sempre que estavam sozinhos. A princípio ela refilou. Quis impôr distâncias. Ele não ligou e acabou por vencê-la pela persistência.
- Olá- respondeu enfrentando o seu olhar
Aos poucos tinha aprendido a dominar as suas emoções. Sentia-se agora  mais segura de si, menos temerosa.
-Já me podes dizer qual dos trabalhadores da secção B pode vir a ser um bom chefe, uma vez que o atual atinge a idade de reforma em breve?
- Estou indecisa entre dois. Creio que qualquer deles possui qualidades e capacidades para o lugar. Queres que os convoque e falas com os dois?
- Pode ser para esta tarde?
- Não. Vou sair ao meio dia. Tenho um compromisso para a tarde.
- Mais importante que o trabalho?
- Muito mais.
Dissera-o com raiva, como se quisesse fazer-lhe pagar por tê-la afastado de si no passado. Ele percebeu-o e engoliu a agressividade com que lhe ia responder.
- Está bem. 
De súbito curvou-se, estendeu a mão,agarrou a delicada mão feminina, e sem deixar de a olhar beijou-lhe os dedos um a um.
Depois soltou-a, e dirigiu-se para a porta.
- Pensa em mim – disse antes de fechar a porta atrás de si.
Pela primeira vez em muitos anos, Mário estava feliz. Tinha percebido que apesar de tudo, continuava a reinar no coração feminino.  E isso soava-lhe a glória, ainda que pela frente tivesse um dura luta, para se redimir pelo passado.

Parece que a maioria dos comentadores de ontem atribuiu o sofrimento de RUI MÁRIO, em relação ao ténis, com um erro por ele cometido no passado.  E se o ténis, não tiver nada a ver com qualquer possível erro do personagem no passado, nem com o filho, que, lembro ele não sabe que existe?
Alguém dá um alvitre?

                                               

18 comentários:

✿ chica disse...

Mário estava se sentindo mais confiante...Havia algo , uma carta na manga?


Vamos esperar! bjs, lindo dia! chica

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
prefiro aguardar pois normalmente engano-me
ate amanhã
JAFR

Tintinaine disse...

Bom dia!
Eu não liguei os ténis a qualquer erro do passado, mas antes a um sonho, um sonho de sucesso, de ser um herói.
Mas vou esperar para ver o que aí vem.

António Querido disse...

Eu arrisco-me a errar, mas sempre dou o meu palpite, em breve vai saber do filho e muito mais, é só uma questão de tempo.

E por falar no tempo, cá vai o meu abraço cheio de sol.

Rui disse...

O Mário está a"jogar" de uma forma inteligente" ! ... Entendeu o erro e está a querer ganhar tempo dando um passo atrás para depois poder dar dois em frente !
A Teresa está (agradavelmente) surpreendida, o que a vai impedir de tomar decisões precipitadas !

Creio que os ténis terão a ver com o passado de Mário, enquanto Rui....Talvez lhe tenham sido oferecidos em criança e ele, não sendo dessas coisas, tenha pensado em guardá-los para um futuro feilho. (?), ... que evidentemente não sabe que tem !
...Mas a Elvira irá fazer-nos uma surpresa !

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Hum!
Está ficando cada vez mais instigante querida Elvira!
Gosto deste suspense, mas o que será que ele está pretendendo né?
Um abraço e até amanhã.

Os olhares da Gracinha! disse...

Provavelmente os tenis foi só para aguçar o enredo!
Bj

Anete disse...

O relacionamento está sendo "trabalhado", passo a passo... Creio que o tênis tem ligação com a sua vida pessoal/ algo com o trauma passado e que lhe traz impulso p continuar... Força de "super-herói... (?!)
Beijo e boa continuação da Longa Travessia...

Diana Fonseca disse...

Olá, D. Elvira.
Não sei se já viu no blogue "A Vida De Olivia" mas eu sou a autora do mesmo.
Decidi mostrar quem sou de verdade e voltei ao meu blogue antigo. Eu já a segui, se quiser fazer o mesmo, agradeço.
Como tenho vindo a dizer, estou a adorar a história e fico sempre curiosa por saber mais. Parabéns! Beijinhos. :)

Edumanes disse...

Adivinha-se tempo quente. A temperatura está subindo. A reconquista do amor feminino. Já o Mário no seu coração a está sentindo. Teresa não quer dar o braço a torcer, mas não vai resistir à tentação do amor que sente por Mário! Pensamento meu!
Tenha uma boa tarde amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

AvoGi disse...

Ah, entendi. É uma justificativa cobrada dia após dia. Oquei , vou tentar seguir
Kis :=

Ana S. disse...

Redimir-se é meio caminho andado mas tudo depende dos erros cometidos no passado porque perdoar não é esquecer.
Abraço

Pedro Coimbra disse...

Eu ando aqui a detectar um desgosto amoroso que terá acontecido no intervalo do romance e do reencontro.
Será??
Bfds

Odete Ferreira disse...

Continuando a seguir com muito interesse.
Quanto ao ténis, quando li, associei-o à noite da morte do pai. Mas parece que não... Aguardemos. Vou reler.
BJ, amiga

Odete Ferreira disse...

Corrijo: aos tênis - associei-os

maria disse...

Talvez estivesse a sonhar com um filho a quem pudesse calçar aqueles ténis :D

Berço do Mundo disse...

Voltei para saber o que se passou na minha ausência. Um beijo na mão é o começo de uma longa reconquista?

lua singular disse...

Oi Elvira,
Eu como mulher vou dar meu palpite que jamais o faria: embaixo da palmilha existem cartas comprometedoras de amor da sua amada orgulhosa. Ela estaria em suas mãos
errei??
Beijos
Lua Singular