30.1.17

LONGA TRAVESSIA - PARTE I




O homem abriu a porta, e fechou-a atrás de si com um toque de calcanhar. Carregou no interruptor e o espaço encheu-se de luz. Estava numa pequena sala de entrada, com um único móvel de madeira escura, com tampo de mármore encimado por um quadro a óleo.
Junto à porta um bengaleiro.
 Despiu o casaco e pendurou-o. Depois em passos largos encaminhou-se para a divisão seguinte.
Acendeu a luz, e sem se deter caminhou até um pequeno bar e segurando um copo serviu-se de uma dose de Whisky. De um pequeno frigorifico incrustado e dissimulado no bar, retirou e colocou no copo, duas pedras de gelo.  Com o copo na mão sentou-se num dos brancos sofás que compunham a sala. 
O homem que devia andar perto dos quarenta anos, era alto, e bem constituído. Tinha uns olhos escuros e cabelos pretos, mas nas suas têmporas, apareciam já alguns fios brancos. O rosto, moreno, dir-se-ia ter sido esculpido por um talentoso escultor dada a sua perfeição.
Vestia roupas de corte elegante de bom tecido. Decididamente era um homem rico, e bonito, capaz de ter tudo o que desejava, mas naquele momento, recostado no sofá, de olhos semicerrados e aspeto cansado, não aparentava ser um homem feliz. Pelo contrário, se por ali houvesse um pintor, em busca do tema ideal para retratar a solidão, decerto acharia que tinha encontrado o modelo perfeito.
Apesar do seu porte atlético, parecia demasiado pequeno na grande sala com os dois enormes sofás brancos, a parede atrás de si completamente coberta de livros, o bar do seu lado esquerdo, e o reposteiro que cobria toda a parede da frente possivelmente envidraçada.
Ouviu-se o som de um telemóvel. O homem abriu os olhos e procurou o aparelho. Lembrou que o tinha poisado, no móvel da sala de entrada.
Sem vontade, levantou-se e foi até lá. Atendeu. Era Diogo, o advogado.
-Que se passa? – Perguntou com brusquidão.
- Queria lembrar a hora da reunião amanhã com os donos da “Tudilar”
- Que é às dezassete, já me tinhas dito.- Replicou aborrecido. Espero que tenhas tudo pronto, Quero efetuar a compra amanhã. Estou a pensar viajar de novo em breve.
- Está tudo em ordem. Creio que não vai haver problema. Eles estão com a corda na garganta. É a venda ou a falência.
-.Está bem. Espero-te no meu escritório às quinze para revermos isso.
- Lá estarei, Mário.



Por esmagadora maioria, vocês pediram "Longa Travessia" Espero que gostem e não se percam pelo caminho...



21 comentários:

Tintinaine disse...

Já cá estou, fui o primeiro a chegar!
Espero que a travessia leve o nosso herói a um lugar onde brilhe o sol e encontre a felicidade.
Por ter perguntado, agradeço a sua atenção, deixo aqui uma cópia do comentário que dei como resposta à sua pergunta, no meu blog:
Toda empenada, por vezes usando as canadianas, já regressou às lides caseiras, deixando as tarefas mais pesadas para mim e uma mulher a dias que faz meio dia de trabalho em dias alternados.
O esqueleto está velho e nunca foi de primeira qualidade, por isso a recuperação total pode demorar meses, ou nunca mais chegar. Graças a Deus que não foi mais grave!

Isa Sá disse...

Vamos lá acompanhar a história que certamente não vai desiludir!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

✿ chica disse...

Já gostei do início... Vamos juntas até o final da travessia!!! Vejamos! bjs, chica

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Continuo a acompanhar a história minha amiga e estou a gostar.
Um abraço e boa semana.
Andarilhar || Dedais de Francisco e Idalisa || Livros-Autografados

António Querido disse...

O nosso amigo "Tintinaine", como fuzileiro veio em passo de corrida, foi o primeiro a chegar e eu com algum cansaço aqui estou a chegar, vou seguir a "longa travessia", esperando não me perder, porque o meu sentido de orientação já não é o que era, no caso de me sentir perdido, tenho uma solução: compro um GPS!
Sem GPS segue o meu abraço.

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Bom dia Elvira!
Estou cá a lhe acompanhar em mais um conto que por certo, irei gostar muito e já estou imaginando o que vem por aí.
Um abraço e até amanhã.

Odete Ferreira disse...

Já aliciante e ainda é o início!
Bjinho, amiga 😊

Érika Oliveira disse...

Estou acompanhando! Está muito interessante!!

© Piedade Araújo Sol disse...

e lá vamos acompanhar este, que no primeiro capitulo, promete ser uma boa história.
beijinhos
:)

Os olhares da Gracinha! disse...

Vamos estar atentas a mais um conto!!! Bj

maria disse...

Gostei do título e a julgar pelo primeiro episódio, vem aí, mais uma boa história... gosto muito da descrição quer do ambiente, quer do personagem, agora vamos esperar o desenrolar...

Edumanes disse...

Já estão de faca a fiada para degolarem quem já está com a corda na garganta. Quem vende não terá alternativa. Terá de vender pelo preço que o comprador lhe quer dar. Isso é puro oportunismo!

Tenha uma boa noite amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Promete, no mínimo, desafiar o paradigma

Um homem rico
raramente está deprimido
bebe sumo
(como o Amorim, ou o Belmiro)
Ao telemóvel (ou telefone)
fala por cima,
mas sem ser ríspido.

Antevejo que irá perder tudo na bolsa

Mas... se é bonito... talvez se safe

A ver vamos

Elisa Bernardo disse...

A passar para me pôr a par e lhe deixar um grande beijinho.

Socorro Melo disse...


Chegando por aqui para fazer a travessia...O homem misterioso já nos enche de curiosidade.

Janita disse...

Esperando não me perder pelo caminho, sigo já para o próximo episódio...Nem sempre o dinheiro traz companhia e felicidade...

Um abraço.

Aleatoriamente disse...

Começando no conto agora, o desenrola me deixa presa na história.
Seguindo então...

Prata da casa disse...

Cheguei atrasada, mas já estou a gostar. Vou agora ler os outros capítulos seguintes.
Bjn
Márcia

lua singular disse...

Oi Elvira, ja gostei do começo.
Espero não me perder no meio do caminho
Beijos
Lua Singular

Gaja Maria disse...

Vamos lá a uma nova história :)

Berço do Mundo disse...

Cá estou, a começar o caminho pelo lugar certo: o início.
Amiga Elvira, peço-lhe desculpa porque o post onde comentou, lá n'O Berço, estava a dar erro. Tive que o apagar e fazê-lo de novo e lá se foi o seu comentário.
Abraço vou continuar nesta "Longa travessia"
Ruthia d'O Berço do Mundo