12.9.16

QUEM SABE FAZ A HORA... - PARTE III


Cecília era uma bela mulher. Alta, morena, corpo curvilíneo, e um rosto onde se destacavam dois belos e expressivos olhos castanhos. Boca pequena e carnuda, ladeada por duas pequenas covinhas sempre que sorria. Tinha acabado de fazer trinta e seis anos, e estava em toda a plenitude da sua beleza.
Há muitos anos atrás era quase uma menina, tinha namorado o João. Na verdade ele fora o primeiro e único amor da sua vida, muito embora outros homens tivessem entrado nela.
- Então amiga, arrependida? - perguntou Sandra.
- Bem sabes que não. Mas estou apreensiva. E se depois de me ver, ele não sentir nada? Tenho medo: - disse baixinho. Tão baixinho que Sandra mais adivinhou que ouviu. E perdeu-se de novo nas suas recordações.
No final dos anos oitenta, muitas empresas abriram falência, muita gente perdeu o emprego. O pai de Cecília fora um dos que se viram de um momento para o outro sem emprego. O irmão, que emigrara há anos para o Brasil, insistia para que ele fosse para lá. Artur resistia, apesar das saudades que tinha do irmão, e dos pais que já tinham ido. Por causa da esposa e da filha que não mostravam vontade em sair de Lisboa. Perdido o emprego, e sem grandes esperanças de conseguir outro que lhe permitisse o mesmo nível de vida, não lhe restou outra coisa que convencer a mulher e a filha a fazer as malas.
No Brasil, Cecília levou muitas noites sem dormir. Chorando de saudades. De Lisboa, dos amigos e principalmente do João. Escreveu longas e inflamadas cartas de amor, que nunca enviou. Com o passar do tempo, as lágrimas foram secando. Um dia quase sem dar por isso viu-se noiva do primo. Influenciada pelos pais, pelos tios, e também pelo devotado amor que Alberto lhe dedicara desde o dia em que a conheceu. Para Cecília, tanto fazia. O seu coração tinha ficado lá longe. Só a avó se preocupava. Que ela não parecia uma noiva feliz. Que ela não demonstrava a alegria de uma noiva. Mas ainda assim Cecília casou num dia de Santo António. Um casamento que durou três anos. Três anos dum casamento, onde havia respeito, amizade, e carinho, mas onde nunca houve pelo menos da sua parte, desejo, ou paixão. E não fora aquele fatídico acidente, que vitimara Alberto, talvez Cecília se tivesse resignado àquela vida. Ou talvez não, quem sabe.

13 comentários:

✿ chica disse...

Lindo e faz pensar,Elvira! bjs espero que tudo esteja bem! chica

Elvira Carvalho disse...

Amigos continuo em Lagos. O cunhado está internado na neurocirurgia em Faro. Deram-nos a informacão pelo telefone de que estava a ser operado na Sexta, que tinha corrido tudo bem. No sábado, fomos vê-lo e descobrimos que apenas tinha feito uma biópsia ao tumor. Estamos arrasadas. Obrigada pelo vosso apoio. Abraço

Elvira Carvalho disse...

Amigos continuo em Lagos. O cunhado está internado na neurocirurgia em Faro. Deram-nos a informacão pelo telefone de que estava a ser operado na Sexta, que tinha corrido tudo bem. No sábado, fomos vê-lo e descobrimos que apenas tinha feito uma biópsia ao tumor. Estamos arrasadas. Obrigada pelo vosso apoio. Abraço

Rui Espírito Santo disse...

Olá Elvira. O conto está a ficar interessante ! ... Afinal, parece haver condições de "retoma" de um velho amor ! rsrs... e a Cecília é bonita que se farta ! ... Aguarda as reacções do João para o próximo capítulo, porque da Cecília já se conhecem ! :)

Quanto ao resto uma expectativa gorada, o que não quer dizer muito, a não ser uma decepção . Esperemos que pelo menos esse exame forneça boas notícias !

Beijinhos e Tudo de Bom !

Os olhares da Gracinha! disse...

Elvira vai correr tudo bem!
Estou a gostar do conto...bj

Edumanes disse...

Quem sabe! Ninguém sabe?
como é que será o futuro
ficamos esperando, contudo,
que a luz do sol antes não se apague!

Morena bonita,
lindos olhos tem ela
a cor bem lhe fica
perdidamente bela!

Quanto ao seu cunhado, amiga Elvira,
o que é preciso é não perder a esperança!

Um abraço.

Gaja Maria disse...

Mais uma história que promete.
Quanto ao resto muita força e que tudo corra bem. Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Escreve Deus por linhas tortas... e Cecília agradece
(irá agradecer, ao que parece...)

Pedro Coimbra disse...

E agora vai reacender-se um amor que nunca verdadeiramente se apagou.

Mariangela do lago vieira disse...

Oi amiga, confia que Deus está junto em todos os momentos!
Vai correr tudo bem!
Abração!
Mariangela

Odete Ferreira disse...

A acompanhar mais um excelente conto...
Desejo as melhoras. Infelizmente, compreendo bem esta aflição. Tenho uma cunhada com um tumor cerebral inoperável. Fez radio e quimio, há quase um ano, e o tumor nem avançou nem regrediu.

Ailime disse...

Bom dia Elvira,
O conto continua com muito suspense.
Se Deus quiser tudo correrá pelo melhor.
Força e coragem.
Beijinhos,
Ailime

aluap Al disse...

Realmente às vezes temos que passar por momentos de crise, mas ainda bem que depois do que passou a Cecília não desistiu do amor.
Quanto ao seu cunhado, todos temos hoje em dia e infelizmente, noticias de amigos, familiares, conhecidos, que sofrem com doenças horríveis, mas creio que tudo vai correr bem.
Bom fim-de-semana!
Beijinhos.